NOSSA CONDIÇÃO HUMANA
  
  • Vamos inicialmente entender nossa condição humana. Somos uma máquina maravilhosa de carne e osso coordenada por 15 bilhões de neurônios que se concentram basicamente no cérebro; como Engenheiro de Eletrônica eu me maravilho diante desta máquina jogando ping pong, por exemplo. Milhares de sensores são utilizados simultaneamente para detectar a velocidade e direção de incidência da bola, a localização do oponente e dezenas de outras variáveis que são despercebidas conscientemente (levaria muito tempo para que a percepção fosse consciente); estes dados são então processados pelo cerebelo que dispõe de sub-rotinas e subprogramas otimizados pela prática constante para colocar a raquete no lugar certo, no momento certo, com o impulso correto para jogar a bolinha lá naquele lugar indefensável.  
  • O interessante é que a Teoria da Informação quando aplicada aos 15 bilhões de neurônios, falha completamente; teria que ser um número muito maior de neurônios para poder armazenar todos os dados e memórias que um ser humano possui. Então onde estão armazenadas estas informações? O físico teórico Jean Charon estudando as partículas elementares descobriu que temos uma alma constituída de elétrons que participam de um universo com características neguentrópicas com capacidade infinita de armazenamento de dados; é lá que os mesmos estão. Nossa alma é o nosso disco rígido, onde estão armazenados todas as experiências vividas por nós bem como todos os nossos programas e aplicativos instalados ao longo de nossas vidas, gerenciados por um sistema operacional herdado dos pais.  
  • Na verdade nossa alma é o que nos caracteriza; nosso cérebro é apenas um gerenciador de informações e controlador de ações cuja finalidade última é atender à nossa alma. Porém nossa alma ainda é uma desconhecida de nosso intelecto; burrice dele, pois se ele viesse a conhecer as potencialidades da alma se tornaria iluminado; foi o que aconteceu com Buda. Porém Buda só conheceu as potencialidades quase nunca as utilizou.  
  • Aí está, este desconhecido somos nós quando no início: corpo, cérebro e alma. E o espírito? Perguntaria alguém! O espírito está morto, na verdade, desabilitado, não utilizado. É como um computador de última geração que tem o modem não utilizado, sem conexão com a internet. A alma tem intrinsecamente toda a potencialidade para usar as percepções espirituais mas, em nosso mundo ocidental preferiu-se inibir estas potencialidades, queimar as bruxas.  
  • Esta é nossa situação inicial: uma nave com possibilidades intergalácticas puxada por uma parelha de bois.    
  •