A ATIVAÇÃO DO ESPÍRITO
 
  • Como Deus é Espírito e nos deu o livre arbítrio, Ele não pôde nem pode ativar o espírito do homem sem que o mesmo assim deseje e solicite.  
  • A solução foi enviar o Filho dele, Jesus Cristo, para nos falar da possibilidade. E Jesus Cristo fez tudo o que Deus queria e com isso ganhou para nós a possibilidade do renascimento do nosso espírito que estava morto.  
  • Com o batismo no Espírito Santo o nosso espírito é ativado, renasce e a nossa limitação da natureza humana é eliminada; o Espírito Santo nos transforma em uma nova criatura. Deixamos de ser o descendente de Adão com o espírito morto e passamos a ter o Espírito de Deus conectado à nossa alma. Se nós permitirmos o Espírito Santo vai nos transformando; muda o sistema operacional de nossa alma, elimina os programas indesejados, instala novos programas e vai nos ensinando a usá-los. As transformações se instalam suavemente; de repente você percebe que aquele vício de roer unha já não existe mais, sua despesa com remédios deixou de existir, aquelas dores que estavam sempre presentes sumiram, os ambientes dos quais você gostava passaram a assumir um ar ameaçador e você sabe porque. Às vezes você se surpreende com suas próprias ações; alguém chega próximo a você e começa a reclamar de uma enxaqueca enorme e você sabe o que fazer e faz; a pessoa já se afasta sem se lembrar que estava com enxaqueca e assim por diante, não há limites.  
  • Se você se dispõe o Espírito Santo lhe pede para fazer algum trabalho para Ele. Exemplo acontecido:  
  • E.S. - "Joseh, Eu gostaria que você fosse hoje a noite à Igreja X”.  
  • Joseh - "Mas Pai, Tu sabes que não gosto de ir a estas igrejas que sequer respeitam as condições de salubridade auditiva com o sistema de som sempre ultrapassando o limite do agradável”.  
  • E.S. - "Sei Joseh, porém vai acontecer algo lá que Eu gostaria que você visse”.  
  • Fui e constatei o que já esperava, o som nas alturas tentando quebrar o martelo e a bigorna de meu ouvido interno. Fiquei no último banco observando. Depois da barulhada o Pastor começou a dar alguns avisos completamente ignorados pela maioria que farfalhava em conversas paralelas. Comentei com o Pai.  
  • Joseh - "Pai, o que Tu queres que eu veja? O que estou presenciando eu já tinha conhecimento, não precisaria ver de novo”.  
  • E.S. - "Paciência filho."  
  • Neste momento as pessoas começaram a se levantar e se dirigirem para frente do púlpito. Presto atenção ao que o Pastor estava dizendo e percebo que estava convocando as pessoas a passarem pelo Corredor da Vitória que estava se formando à frente com aproximadamente dez pessoas de cada lado e por onde a congregação passaria para receber bênçãos.  
  • Achei a idéia interessante e a comparei mentalmente com uma linha de consertos industriais onde os equipamentos entrariam defeituosos e sairiam consertados.  
  • E.S. - "Joseh! Eu gostaria que você fosse passar no corredor”.  
  • Joseh - "Mas Pai, estou me sentindo muito bem e não tenho nada em especial para pedir”.  
  • E.S. - "...,  ...”  
  • Silêncio... o E.S. nunca ordena, só pede e sugere.  
  • Fui; passei e enquanto passava o E.S. me fez perceber a natureza das bênçãos que estavam fluindo de cada participante do corredor e de repente recebi o impacto de maldições lançadas por um deles. Ao terminar de passar havia percebido quatro infiltrados que estavam massacrando os que por ali passavam sem a proteção do E.S.  
  • Voltei para o meu lugar chocado com a experiência e a constatação do que acontece em muitas igrejas. Fiquei indignado.  
  • E.S. - "Pois é Joseh, é assim que o inimigo age! Agora Eu gostaria que você fosse dizer isto ao Pastor para que ele tome providências”.  
  • Depois de algumas semanas de relutância me dispus a ir e o E.S., poderosamente, convenceu o Pastor a agir.   
  •